quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Baú na Estrada: Às vezes a gente só queria tá assistindo TV Globinho


Eu era criança e corria pela casa com o lençol amarrado na cabeça como se não houvesse amanhã e a qualquer momento fosse sair voando. Uma super heroína, a mais desastrada de todas, sempre fui. Lembro da minha mãe gritando comigo sobre como eu ia cair e me machucar, como sempre acontecia; você sabe, praga de mãe é pior que as do Egito. A gente perdia dentes e chorava com feridinhas na pele. Queria eu, hoje, ter como único motivo das lágrimas um joelho ralado. Quando a gente cresce a dor é diferente.

Você fica adulto e esperam de ti um diploma, um emprego, casamento, casa própria e centenas de decisões que nunca achamos que seria necessário tomar. Quando criança tudo o que tinha que fazer era a lição de casa, hoje a vida é a nossa lição e não há ninguém ensinando. Na infância o tempo são meros ponteiros no relógio e os dias são uns como os outros, a inocência dos sorrisos que não se perdem na estrada.

E no entanto, apesar da saudade, eu não voltaria no tempo. Você sabe, é uma delícia não ter hora pra acordar e apenas preocupar-se com o que vai acontecer no Sítio do Pica Pau Amarelo no episódio de hoje, mas quem eu seria sem cada pequeno (ou enorme) erro e arranhão feitos pelo caminho? As responsabilidades nos atolam, mas também nos fazem crescer. O meu quebra cabeça é formado por nostalgias e saudades; cicatrizes e amor compõem minha essência. Sem nunca quebrar a cara (no chão ou na vida) como saber que não somos invencíveis?

Esse post faz parte do projeto "Baú na Estrada" em parceria com o Johnny, do Baú de Canto, no qual postaremos em quartas alternadas um texto de acordo com tema sugerido um para o outro. O texto dele dessa semana você pode ler clicando aqui!

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

9 lições valiosas que Grey's Anatomy nos ensinou

Desde que comecei a assistir Grey's, não consegui parar e devorei todos os episódios em poucos meses (obrigada, Karol). Ela nos impacta, machuca (ou vai dizer que já não te roubou várias lágrimas?), nos deixa eufóricos e nos ensina várias coisas. Sendo assim, quis trazer para vocês as melhores lições de vida que a série nos trouxe.

1 ∴ A vida é um sopro. Sabe aquele clichê do viva cada dia como se fosse o último? Então, um dia vai ser e a gente não recebe aviso prévio. Mostre as pessoas que você ama o quanto elas significam para você e não deixe para depois o abraço apertado ou a ligação dizendo que está com saudade, pode não haver depois.

❝ Porque você nunca pensa que a última vez será a última vez - você acha que haverá mais. Você acha que tem a eternidade, mas você não tem.❞  (Meredith Grey) 

2 ∴ Todo mundo merece uma segunda chance. Todos cometemos erros e não devíamos ser julgados por eles pelo resto da vida. Às vezes a gente se arrepende e só precisa da oportunidade de recomeçar e ser melhor.

❝ Acontece, às vezes você tem que fazer a coisa errada. Às vezes você tem que fazer um grande erro para descobrir como fazer as coisas direito. Os erros são dolorosos, mas eles são a única maneira de descobrir quem você realmente é. (Meredith Grey)

3 ∴ O amor é mesmo forte e extremamente poderoso; Com dedicação e vontade de ficarem juntos, ele pode vencer todas as batalhas, mas jamais coloque-se em segundo plano por outra pessoa. Não se anule por ninguém.

Não deixe o que ele quer ofuscar o que você precisa. Ele é muito encantador, mas ele não é o sol. Você é. (Cristina Yang)

4 ∴ Coisas ruins acontecem para pessoas boas. É inevitável e, no entanto, isso não significa que você não possa dar a volta por cima e ser feliz novamente. Algumas vezes na vida temos a sensação de que tudo desabou e é o fim do mundo, quando, na verdade, é apenas um novo começo.

"Eu tenho certeza que você sente como se tudo estivesse desmoronando, mas você pode passar por isso."
 Não importa se somos fortes, traumas sempre deixam uma cicatriz. Seguem-nos até nossas casas, mudam nossas vidas. Traumas derrubam a todos, mas talvez essa seja a razão. Toda a dor, o medo, as idiotices. Talvez viver isso é que nos faz seguir adiante, é o que nos impulsiona. Talvez precisamos cair um pouco para levantar novamente.  (Meredith Grey)

5 ∴ Quando amamos alguém, amamos até quando a odiamos.



6 ∴ Todos precisamos de uma pessoa. Alguém para estar conosco em todos os momentos, alguém para amar e confiar até de olhos fechados. E quem disse que a gente só tem uma pessoa na vida?

❝ Entramos no mundo sozinhos e saímos dele sozinhos. E tudo que acontece entre isso? Devemos a nós mesmos encontrar uma companhia. Precisamos de ajuda. Precisamos de apoio. Caso contrário, estamos nessa sozinhos. Estranhos. Desligados um dos outros. E nós nos esquecemos o quanto conectados estamos. Então, ao invés disso, escolhemos o amor. Escolhemos a vida. E por um momento nos sentimos um pouco menos sozinhos.  (Meredith Grey) 

7 ∴ Não iremos muito longe sem esforço e luta, se temos um sonho, temos que persegui-lo e, eventualmente, fazer alguns sacrifícios. Seja pela nossa carreira ou pela nossa família e vida pessoal, as conquistas não caem do céu. É como uma amiga minha sempre diz: "cada escolha, uma renúncia".


8 ∴ Nós podemos fazer planos, mensurar cada passo que vamos tomar e decidir todo o mapa do nosso futuro. Mas no fundo, de nada sabemos, o tempo muda e nós também.

"Quem aqui se sente como se não tivesse a menor ideia do que está fazendo?"
Passamos toda a vida nos preocupando com o futuro. Fazendo planos para o futuro. Tentando prever o futuro. Como se desvendá-lo fosse aliviar o impacto. Mas o futuro está sempre mudando. O futuro é o lar dos nossos medos mais profundos e das nossas maiores esperanças. Mas uma coisa é certa: quando ele finalmente se revela, o futuro nunca é como imaginamos.  (Meredith Grey)

9 ∴ E por último, mas não menos importante:


O carrossel nunca para de girar. 

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Pedaços

Um dia eu fui inteira.

Chegou alguém e me fez metade,
Dividiu os pedaços e deixou retalhos.

Um dia fui inteira.

Sorria com os olhos e gargalhava com a alma.
Hoje carrego olheiras profundas e toneladas de cafeína no organismo.

Um dia fui inteira.

Agora desfaço-me em remendos e rachaduras que alagam-me nas tempestades.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Transplante de amor

Na medicina, se o coração do paciente para de bater, por alguns minutos há ainda uma chance de trazer o corpo a vida; na poesia, a gente faz de tudo para manter vivo o que já morreu faz tempo.

Quando um médico perde um paciente ele deve declarar sua morte com o horário que aconteceu. Quando eu perdi você, me custou dois anos para perceber.

— Mais uma parada cardíaca, alguém traz o desfibrilador!
— Agora!
— Carrega nas 100 cartas de amor.
— Nada ainda.
— 200 músicas da nossa trilha sonora.
— Sem pulso.
— Os exatos 220 beijos maravilhosos que a gente deu esse ano.
— Não tem mais.
— Tenta de novo.
— Já foi.
— Mas...
— Perdemos esse.

Hora da morte: instante que você (me) partiu (em pedaços).

Declarada.