Rebeca Maynart

"Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então." (Alice)

Não sabe quem é, mas a cada dia encontra mais pedaços seus espalhados por esse mundo. Seu cérebro trabalha como poesia e às vezes enlouquece um pouco, entontece as razões e alucina, no entanto, é de amor que ela transborda. Feita de lã e carinho, é abrigo de abraços e ótimos conselhos (ou algo assim). 


Vinte anos e tantos sonhos na bagagem quanto o céu tem estrelas. Acredita que é de exata, ou acreditava, tenta, tentou, já não sabe mais. Esforça-se para sair do aprisionamento da sua zona de conforto e do comodismo, apesar de uma força gravitacional mais forte que as leis da física a sugarem para o buraco negro do vazio existencial.

Elogie seu intelecto e ganhe seu coração, ser chamada de linda é bom, mas ser brilhante é sensacional.

Ama com intensidade, mergulha de cabeça; Grande problema e maior inspiração de seus textos, já que isso raramente trás bons resultados. No entanto, jamais admitirá que aqueles versos apaixonados (ou magoados) foram para alguém. Gosta de escrever com a alma ao invés dos dedos e é viciada em metáforas.

E, por fim, seu maior anseio é se encontrar. Encontrar-se para então o resto vir sozinho.