Por: Rebeca Maynart | 2 Comentário(s)

Você tem filosofias em segredo que nenhum Kant escreveu


Atrás da pose de quem guarda todos os segredos do mundo no bolso da jaqueta de couro preta e esconde olhos cabalísticos e astuciosos por baixo do capacete da moto: você finge que o mundo não te afeta, escudado por sua armadura jeans e atitude soturna. Não obstante, no escuro do seu quarto, confidencia-me teus segredos no meio da noite.

No fim da tarde, depois de uma foto despretensiosa que postei só para dissimular, você questiona sobre o meu dia, como se de fato interessasse a resposta. Eu gostava das suas despedidas afáveis e dos seus mistérios desfazendo-se nos meus lábios, e você, gostava do que? Porque seu código criptografado em seis linguagens diferentes, ocasionalmente, apresenta-se indecifrável para mim.

Você nem merece um texto, se perguntarem-me. É só que eu precisava escrever e você serviu de inspiração, bem como, negarei até sob tortura quando indagares "foi sobre mim?", vou rir da sua pretensão e debochar: "até parece".

Não é amor, eu só gosto de como a gente se entende conversando sobre as poesias de Pessoa.

Seu passado mal resolvido não me assombra, conquanto pareça fazer exatamente isso com você. É esquisito que eu sinta como se te conhecesse há muito mais tempo? Escritores tendem a enxergar a poesia em qualquer diálogo e intensidade até num copo d'água. Teria eu me equivocado na sua leitura?

2 comentários:

  1. "Escritores tendem a enxergar a poesia em qualquer diálogo e intensidade até num copo d'água." amiga, você nos definiu. Milhões de lamúrias minhas cabem aqui.
    Só queria dizer que esse é um dos seus melhores textos para mim e essa visceralidade da paixão efusiva combina demais contigo. <3 perfeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai amiga, você e divina! muito obrigada por dividir a poesia comigo e apoiar meus versos loucos. ❤️

      Excluir

Tecnologia do Blogger.