Por: Rebeca Maynart | 8 Comentário(s)

Bella Adormecida


Faz muito tempo desde a última vez que eu cuspi os nós que entalaram minha garganta.

Faz algum tempo desde que eu soube o que dizer, que ainda lembrava como é escrever. A inspiração vem mesmo de lugares inesperados, nos momentos que não estamos procurando. E algumas coisas simplesmente não mudam, como o fato das madrugadas renderem-me muito mais palavras desgrenhadas do que quando eu supostamente deveria estar acordada. 

Estragar as coisas somente para provar que pode reconstruir tudo novamente. Será que realmente conheço-me? Você certamente não me conhece. Sobriedade para encarar os dias soa incrivelmente incômodo. Acredito que agarro-me nos dramas, na intensidade e na loucura, mania, são o que mantém-me viva. 

Ou não.

Normalidade é insuportável. Anonimato sufoca. Encrenca seduz. Inevitável. Eu preciso do pulso acelerado, a sensação de estar pendurada por um fio. É um vício. É possível atar-se a dor tão intensamente ao ponto de não poder desfazer-se dela? As linhas que desejo cruzar, os limites dentro de mim que ainda não enxerguei. Os problemas são minha identidade. Sem os transtornos, o que resta? Mais um igual a todos os outros. Sem as cicatrizes, onde iria marcar minha força? (podes enxergar fraqueza, eu vejo diferente) 

Nunca sinto-me tão forte, preenchida e satisfeita quanto quando estou vazia; assistir aos números diminuírem é realmente excitante (não estou com fome, obrigada). Jogos são meu passatempo favorito e, provavelmente infelizmente, não falo dos de tabuleiros. Minhas cartas na manga não esgotam-se e as apostas são sempre altas. É engraçado como aqui dentro escondem-se tantos pedaços que quase ninguém percebe, tantas versões que imploram para sair e eu adoraria brincar com elas.

Acordei.

8 comentários:

  1. Primeiro eu preciso comentar sobre esse marcador incrível pra separar os posts de escrita. Afinal de contas, pra quem o ato de escrever precisa fazer mais sentido do que aquele que escreve? Segundo, esse seu texto me lembrou muito um amigo, os anseios, as entrelinhas, os motivos e manias de viver. Tanto que eu tive que mandar mensagem pra ele mandando ele parar o que tava fazendo pra vim te ler. E ele veio, viu?

    Enfim, só preciso dizer que foi lindo e intenso. E que se transbordar através da escrita de vez em quando é necessário pra não ficar doendo com tanta coisa guardada aqui dentro da gente.

    Com carinho,
    Conto Paulistano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai meu deus, perdoa a demora e muito obrigada mesmo pelo carinho.
      Eu amo marcadores assim haha s2 e esse seu amigo deve ser tão legal quanto você!

      Obrigada de novo ❤

      Excluir
  2. Beca!!! você voltou!! Sempre bom te ter de volta. E esse texto faz uma referência danada com uns dramas que ando lidando. Obrigada pela tua poesia e por sempre voltar. O teu texto faz falta menina!! "Acredito que agarro-me nos dramas, na intensidade e na loucura, mania, são o que mantém-me viva." AHHHHHHHH <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fico indo e vindo, você sabe. (não que eu me orgulhe)
      Sério?? Ahhh esses dramas que nos atormentam né? Volta e meia eles vem fazer visita.
      Eu que agradeço por todo apoio que você sempre me dá aaaaaaaaaaaa ❤ maravilhosa
      OBRIGADAAAAAAAAAAAAAA ❤

      Excluir
  3. Aaaah que saudade de ler algo assim seu! Não sei nem dizer quantas vezes sorri, senti e me identifiquei com esse texto.

    ''E algumas coisas simplesmente não mudam, como o fato das madrugadas renderem-me muito mais palavras desgrenhadas do que quando eu supostamente deveria estar acordada. ''
    Existe momento mais propício? Existe momento mais a gente? Não, não existe. É, basicamente, quando a inspiração começa a reaparecer na ânsia da melancolia pra se transformar em texto. Ou em fragmento. Fragmento da gente. Que vira texto.

    ''Estragar as coisas somente para provar que pode reconstruir tudo novamente.'' Dos testes e provações que fazemos com nós mesmos.

    ''Sobriedade para encarar os dias soa incrivelmente incômodo.'' Desde: sempre. Para: sempre.
    Beca, você é tão eu!


    ''Os problemas são minha identidade. Sem os transtornos, o que resta?'' Eu tenho pensando TANTO sobre exatamente esse tipo de coisa. Acho que por isso me identifico inteiro nesse texto.

    ''assistir aos números diminuírem é realmente excitante.'' Como lidar com esse distúrbio sádico? Ao conhecer alguém, trilhar uma nova vida paralela a isso tudo, é possível simplesmente se refazer? Não ser mais nada disso?
    E, quando digo isso, nem falo se refazer perante ao outro, mas a si mesmo. É possível se enganar a esse ponto? Até que ponto isso é, de fato, enganação ou é real?

    É bom estar e te ver de volta, Beca.
    Todo o meu carinho e sentimento ♥

    Baú de Canto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu sei
      eu demorei 8 anos p responder
      mas vc me entende né? eu espero que sim
      n desiste de mim coisa linda

      EU MORRO COM SEUS COMENTARIOS (de amores) AAAAAAAAA

      vc sentiu saudade desses textos e eu de vc xuxu

      madrugadas e seus fragmentos, combinação perfeita para poesia à flor da pele.

      "Desde: sempre. Para: sempre.
      Beca, você é tão eu!" sempre soube. writers twins

      "Eu tenho pensando TANTO sobre exatamente esse tipo de coisa. Acho que por isso me identifico inteiro nesse texto." a gente meio que acaba virando nossa própria poesia né? estranho.


      "Como lidar com esse distúrbio sádico? Ao conhecer alguém, trilhar uma nova vida paralela a isso tudo, é possível simplesmente se refazer? Não ser mais nada disso?
      E, quando digo isso, nem falo se refazer perante ao outro, mas a si mesmo. É possível se enganar a esse ponto? Até que ponto isso é, de fato, enganação ou é real?"
      a linha é tênue.

      É BOM TER VC DE VOLTA, JOHN <3
      todo meu carinho e sentimento ♥

      Excluir
  4. "Normalidade é insuportável. Anonimato sufoca. Encrenca seduz. Inevitável. Eu preciso do pulso acelerado, a sensação de estar pendurada por um fio. É um vício." É tão isso! Somos nós os nossos próprios limites e barreiras e vivemos mais a cada momento que os vencemos, não há como não nos sentirmos vivos de cada vez que nos expomos, que sentimos que somos capazes , que não nos deixamos ficar, que o pulso acelera e o coração dispara. Não há melhor do que viver no limite e saber que o que nos limita é cada vez menor!
    Gostei bastante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AAAAAAA muito obrigada! Fico feliz que tenha gostado.
      É exatamente isso, sobre sentir-se vivo. Sentir o pulso, sentir a respiração ofegante. Às vezes a gente precisa fugir da monotonia.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.