Por: Rebeca Maynart | 2 Comentário(s)

Aquela coisa que eu odeio

terça-feira, março 17, 2015

Hoje eu fui ao salão fazer o cabelo (sinceramente, fui só porque minhas aulas na faculdade vão começar, porque meu deus que preguiça), com aquela roupa que a gente não escolhe, apenas abre o guarda roupa, ainda com os olhos espremidos incomodados com a claridade, e pega a primeira coisa que sua mão consegue apalpar, no meu caso, uma legging de gatinhos rosas e uma blusa cinza. Ta, Rebeca, e daí? E daí que eu saí da minha casa com minha habitual matinal cara de poucos amigos, e o que me reservou o destino (ou azar, ou carma, ou sei-lá-o-nome-disso)? Um senhor com cara de poucos princípios passando por mim na rodoviária, que analisou-me de cima a baixo como uma carne em exposição no açougue e vomitou a palavra "goXtosa", naquela entonação silábica asquerosa e repugnante. Já tentei me imaginar em situações como essa, muito embora, nunca soubera o quanto a situação é abusivamente detestável, especialmente nessa manhã desagradavelmente abafada.

"Eu não acredito que escutei isso", lembro-me de pensar antes de qualquer outra coisa. Ao virar para trás, o homem já descia as escadas, satisfeito com seu "gesto tão gentil ao elogiar uma moçoila".  Eu queria ir atrás dele e falar (provavelmente gritando) para aquele indivíduo o quanto isso é nojento. No entanto, claro que minha única reação foi entoar em alto e bom som as três palavras mágicas: "filho da puta!". Eu não sei reagir perante a raiva, admito e não me desculpo.

Certamente há pessoas, e, surpreendentemente, com "pessoas" eu incluo uma mulher aqui e outra ali, que acham essa reação exagero ou "nossa que bobagem". Não é bobagem. Não é exagero. É assédio. É humilhante. Não é elogio e não é bem vindo. Um "gostosa" do seu namorado é diferente, é íntimo, é sincero e é entre vocês. Um "gostosa" de um marmanjo na rua é infame, é vergonhoso e invasivo, e não é necessário ser feminista para reconhecer isso.

Quis compartilhar com vocês porque sei que milhares de mulheres passam por isso diariamente e apesar das lutas e conquistas, ainda temos muito para alcançar.

E qual é a sorte de hoje? Meu cabelo está lindo!

2 comentários:

  1. Excelente texto
    Infelizmente ainda existe "coisa/homem" caminhante e falante que acredita q esse vernáculo é elogio.
    Ja quis bater em um nas ruas de Itabuna, por causa de uma olhada na minha filha pequenininha na época.
    Bjs
    Carla

    ResponderExcluir
  2. Exatamente, infelizmente essa raça ainda não foi extinta.
    Ah, conheço uma mãe assim também...
    Beijos.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.