Por: Rebeca Maynart | 5 Comentário(s)

ninguém merece solidão

acho que o ser humano é inseguro por natureza, a menos que você seja megalomaníaco ou narcisista patológico, a insegurança te afeta de alguma forma; social ou fisicamente. lamentavelmente, faz parte da nossa espécie se autoquestionar (essa palavra existe?) e não nos dar tanto crédito às nossas qualidades. você pode receber noventa e nove elogios, uma única pessoa te critica e pesa mais que tudo de bom ao seu respeito que você ouviu antes.


eu tenho sérios problemas de autoestima (ah, não diga!), distúrbios de autoimagem, problemas para me relacionar com o outro e lidar com meus sentimentos. isso mesmo, um pacotão de ansiedade e psicológico ridiculamente esquisito. eu costumava ser espontânea e extrovertida, do tipo que todo mundo na faculdade me conhecia, mesmo sem eu saber da metade deles; de uns tempos para cá, entretanto, afundei em isolamento e destruí meu talento de fazer amigos. 

tenho a impressão que eu distorço totalmente as relações na minha cabeça (embora tenha o costume de forçar-me a pensar logicamente) e que eu me entrego bem mais às amizades e amores do que o contrário. sabe aquela sensação de que você não importa para o outro metade do que este significa para você? ou quando você está conversando com alguém com o constante sentimento de estar incomodando e não consegue relaxar, esforçando-se incessantemente para ser uma boa companhia e não o saco de batatas entediante que você se sente?

e quando eu digo "você", eu quero dizer "eu".

é solitário sob minha pele e eu não sei ser solitária. eu me coloco em situações e amizades patifes por um pouco de atenção e companhia, porque quando a gente não sabe o quanto a gente vale, todo pouco parece demais.

senti o impacto
o que me ajuda é tentar parar de tentar demais (que?). o clichezão da pega que diz "seja você mesmo": se gostar, que bom, pode ficar, tomar um café, maratonar uns filmes de suspense comigo; se me detestar, paciência. uma reles mortal como eu não pode agradar todo mundo. embora saibamos que, na teoria, tudo é fácil as fuck, viver essas frases feitas de auto ajuda é que o bicho pega (e nos devora, roubando a vontade de tentar de novo).

5 comentários:

  1. Eu não acho que sejamos inseguros por natureza. Há sim a necessidade de se questionar, mas não de se autodiminuir. A insegurança é construída em nós em algum momento da vida, muitas vezes na infância, e não sabemos lidar com isso, acabamos levando pra vida adulta. Criança não se sente insegura com a roupa que está usando, com o desenho que acabou de fazer, com o jeito desengonçado de brincar, só vem a insegurança porque alguém apontou e julgou.

    Eu sou muito insegura e venho trabalhando isso em mim, insegurança não é um traço de personalidade, é algo que há como tirar da gente sim <3

    Com amor, ♥ Bruna Morgan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, perfeita colocação. Concordo, não tinha pensado por esse lado, obrigada <3
      Sabendo disso, não parece em vão lutar contra isso que insistem em empurrar para a gente né?
      Obrigada de novo!!!
      Mil beijos s2

      Excluir
  2. É difícil mesmo encontrar esse equilíbrio do "ser você mesma", especialmente depois de uma vida de dúvidas e (auto)questionamento. Insegurança ter que ser trabalhada sempre, é um exercício diário mesmo para não virar armadilha. Mas a gente consegue! :)

    ResponderExcluir
  3. QUE POST! Já to chorando as pitangas pelo whatsapp com voce ;)

    ResponderExcluir
  4. ahh, eu entendo o que você tá sentindo, Becca. Eu estava assim algumas semanas atrás :/ me esforçando demais para as pessoas gostarem de mim. Mas com tempo de terapia eu fui aprendendo a me achar legal, achar que merecia, sim, amizades saudáveis. Hoje consegui um melhor amigo que me adora, que pisa na bola às vezes como qualquer pessoa, né? Mas que a gente se ama real. Acho que o que tô aprendendo é relaxar na companhia dele e de outras pessoas, ser o mais sincera que eu puder com o que tô sentindo aqui dentro, e isso é difícil, é treino diário :(
    Olha, você vai conseguir <3 talvez o primeiro passo possa ser esse: curtir a solidão, ver que você pode ser uma pessoa leal/confiável, e ver o que você sente quando a pessoa fala alguma coisa. Pra ir se conheceno, sabe? Tipo, isso funciona muito pra mim, mas é demorado mesmo. é um processo.
    Mas fico feliz que você identificou a coisa toda no "eu me coloco em situações e amizades patifes por um pouco de atenção e companhia". Foi um grande passo admitir isso e perceber, sério. :) tem gente que passa a vida toda sem saber disso. A gente vai cnseguir, mana. Que a gente acredite que boas coisas virão daqui pra frente.
    Um beijo, Beca <3

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.