Por: Rebeca Maynart | 7 Comentário(s)

a última vez

segunda-feira, outubro 29, 2018

essa é a última vez que eu deito ao seu lado e permito-me ser ludibriada pela sua atenção e palavras distorcidas. essa é a última vez que entorno litros e litros de vodca para tentar queimar feridas internas infeccionadas há muito tempo que jamais cicatrizaram. é a última vez que danço tentando seduzir minha alma, acreditando que, talvez assim, ela retorne para mim. é a última vez que eu beijo tantos lábios tentando ridiculamente esquecer o sabor dos seus.

é a última vez que fumo um cigarro na esperança do ataque cardíaco que eles tanto se gabam no fundo das suas caixas. é a última vez que eu corro para pegar o ônibus que eu sei que não vou alcançar. é a última vez que eu peço dinheiro emprestado à minha mãe, ao passo que ela reclama que eu já estou devendo demais. essa é a última vez que eu me pergunto como você pode dizer que me amou e simultaneamente fazer-me sentir como uma mera brisa que tocou brevemente sua pele e foi embora. 

é a última vez que eu escrevo verdades que dolorosamente são tidas como metáforas. é a última vez que sorrio e digo que, sim, estou muito bem, obrigada, enquanto ato os nós da corda imaginária que morosamente suga minha vitalidade. é a última vez que eu sofro por amores que só existiram na minha cabeça e questiono minha sanidade por isso.

é a última vez que misturo realidade com ilusão e sonhos medíocres. é a última vez que eu acredito que o universo carrega propósitos, quando, claramente, tudo o que este sustenta são galáxias e pó de estrela. essa é a maldita última vez que eu finjo estar viva, quando minha mente já entrou em decomposição e tudo o que restou foram destroços pútridos.

7 comentários:

  1. "é a última vez que eu acredito que o universo carrega propósitos, quando, claramente, tudo o que este sustenta são galáxias e pó de estrela. essa é a maldita última vez que eu finjo estar viva, quando minha mente já entrou em decomposição e tudo o que restou foram destroços pútridos." Essa parte acabou comigo, misericórdia, moça!
    Que belo texto. Não me canso de enfatizar em como gosto da maneira que você dança com as palavras e faz quem lê de fato sentir o que está lendo.

    Com carinho, Nina.
    www.entremcc.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe por isso, moça rs
      E muito obrigada pelo carinho e apoio, a admiração e recíproca.
      Com carinho, beca ❤️

      Excluir
  2. Muito forte o seu texto.
    Inclusive, enquanto lia, imaginei que o final seria o suicídio (que louco né?). Que bom que esse não foi o fim. Mas, achei muito legal seu texto. Gosto de muito sentimento expresso em palavras. Parabéns, vou continuar te acompanhando por aqui.

    Beijos! Borboletra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As vezes as ideias permanecem nas entrelinhas.
      Desculpe pelo texto pesado.
      E muito obrigada pelo carinho, bem vinda ❤️

      Excluir
  3. Beca, você escreve lindamente sobre o que sentimos e como sentimos. Você tra’s a descrição da cena/história com contexto, mas amiga queeeeeee texto pesado!! Gosto disso, de texto que te impacta e debocha dessa mania de sempre esperar por um final feliz HAHAHA. Parabéns Beca! ❤

    ResponderExcluir
  4. Adorei o jeito como você escreve! Uma linda forma de reunir sentimentos reais à arte e à fantasia. Parabéns <3

    Jess

    http://www.solsticio.com.br

    ResponderExcluir
  5. Pesado e lindo, lembrei de vários momentos da minha vida em que não conseguia ver uma luz no fim do tunel

    Com amor, ♥ Bruna Morgan

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.