Por: Rebeca Maynart

A analogia do extraterrestre e a Terra no feminismo

domingo, setembro 25, 2016
Eu estava conversando com minha diviníssima amiga Madu do blog Entrelinhas e a gente sempre debate questões sociais, ideais, pessoas repulsivas e fanfics. A bola da vez foi sobre o texto que você provavelmente já leu sobre um rapaz contando como foi transar com uma vítima de estupro (sim, esse é o título do texto). Eu achei uma leitura sensível, intensa e interessante; compartilhei no meu perfil pessoal. Uns dois dias depois da sua viralização, observei dezenas de mulheres no meu feed indignadas com tal comoção.

"ESTUPRADOR! Ele claramente forçou o ato e o descreve linha por linha.", li em um dos comentários. Eu não tinha pensado por esse lado e ainda não sei se penso. É uma longa discussão sobre um texto que pode ter sido manipulado ou não, que gera milhares de analises e também má interpretações. Discorrendo brevemente sobre ele e não sendo uma vítima de estupro, darei meu ponto de vista: uma vítima de estupro tem muitos gatilhos e mesmo que esta queira o ato sexual, vai ser difícil livrar-se deles. Cada movimento pode liberar sensações ruins. Li de algumas mulheres que já passaram por isso que manifestaram-se e disseram que quando contam aos caras sobre isso eles geralmente vão embora. Sendo assim, é ainda mais árduo "quebrar as tais barreiras". Ele foi compreensivo e paciente, ao que entendi em suas palavras no texto. Como disse minha amiga, "ele tava só contando um causo que aconteceu há anos e que mudou a forma dele de ver o mundo e a cultura do estupro".

Dito isto, a conversa seguiu tratando milhares de assuntos e como vemos muitas manas do nosso (de todas nós mulheres) movimento feminista odiando homens desconstruídos/desconstruindo-se. Por que se o nosso objetivo é desconstruir preconceitos e culturas machistas? Então para que tanta repulsa? Tem os babacas que querem roubar nosso local de fala e cagar regrinhas? Tem. Contudo, também tem os que estão ten-tan-do e lutando para ser melhor, evoluir. Exemplinho: Gregório Duvivier que às vezes pisa na bola? Pisa, reconhece o erro e pede desculpas. E o que eu vejo de gente descendo o pau (perdoe a expressão) nele não está no gibi. Eu erro, você erra, todo mundo é passível de erro. Vocês por acaso preferem os otários que fazem merda 24/7 e lutam avidamente para nos desmerecer do que quem está se esforçando para ajudar? Really?


Madu levantou esse quesito de forma pertinente: "Me incomoda demais feminista que se preocupa mais em fazer textão explanando porque homem não pode participar do movimento do que em fazer justamente o que eles estão tentando fazer, que é derrubar certas barreiras". E não, eu não estou levantando bandeira para homem nem os defendendo, não é meu papel, entretanto, me incomoda tamanha agressividade quanto a isso.

Temos outros exemplos também, no entanto, vou deixar que você mesma(o) os cace em sua memória. O que acontece é que eu também já reproduzi discursos machistas, e como! Porque era tudo o que eu conhecia, era o que ouvia de todo mundo. À vista disso, em algum momento da nossa conversa eu fiz uma analogia que eu nem sabia que era tão boa e a Maduzita mandou-me escrever um texto sobre ela e cá estou eu, escrevendo. Demorou para chegar aqui, todavia, a gente precisava de uma contextualização. 
Nós moramos nesse planeta e todo mundo te diz "olha, a Terra é plana", se você nunca viu a Terra de cima e ninguém nunca te contou também, como que você vai acreditar que a Terra é redonda? Mas aí você descobre isso e começa a espalhar para outros terráqueos a verdade. Então vem uns ETs, concordam com você e falam "a Terra é redonda mesmo" e nós terráqueos: "NOSSA! VOCÊ NÃO TEM DIREITO DE FALAR DA TERRA, VOCÊ NÃO MORA AQUI! ELA NÃO É DA SUA CONTA, EU SEI QUE É REDONDA MAS VOCÊ NÃO PODE FALAR NADA!" (em caps lock mesmo porque a pessoa em questão está sempre muito indignada). O extraterrestre está pregando a mesma ideia que você, inclusive para outros extraterrestres (porque, eles geralmente escutam mais uns aos outros). Não, eles não podem querer mandar no nosso planeta, entretanto, é muito bem vindo qualquer um que nos ajude a dispersar os ideais e a verdade sobre esse nosso planeta ser redondinho.
Bem didático, né? Euzinha feminista de coração que não gosta de dar espaço para distorcerem o que pregamos, nem atacar outras manas, vim apenas dividir com vocês minha forma de pensar sobre esse assunto no movimento. Aberta a discussões e argumentos, espero que compreendam o que tentei passar. Mil beijos do fundo do meu coração! Mais amor e menos ódio entre nós.

2 comentários:

  1. Acho que essa desconstrução que as pessoas fazem em cima de tudo é muito ruim. O texto que citou, por exemplo, é incrível, só que sempre vai ter alguém, ou alguéns, que interpretam de forma errônea e puxam mais um punhado de gente para dentro desse buraco negro que é o ódio. Não querendo ser idiota, nem nada do gênero, mas literalmente estamos na era do mimimi. As pessoas acham que estão certas acima de qualquer outro. Seus ideais são os únicos dignos de atenção. Muitas vezes, a má interpretação chega a ser proposital, porque é mais fácil enxergar o lado ruim da coisa do que parar para analisar sobre o que o outro quis dizer. Digo isso inconformada, como quando escrevi um texto sobre o pessimismo e uma moça veio me dar lição de moral, sendo que cada um interpreta aquilo que bem entende, mesmo que não seja verdade, não é? Eu super concordo contigo em tudo que escreveu. O feminismo não é essa pregação de ódio, é uma luta coletiva. Homens e mulheres juntos por um mundo mais agradável, mais digno de confiança. É claro que sempre vai existir aquele que não entende e que quer destruir tudo isso a qualquer instante, ou ainda aquele que se diz entendido e faz exatamente o que não deveria, mas também existe aquele que quer lutar com a gente. Enfim, acho que tenho milhares de coisas sobre o assunto ainda não resolvidas na minha cabeça rs. Mas adorei tua reflexão, acho que todo mundo deveria ler ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, amiga. Tem coisas que não precisam ser problematizadas. Nem tudo é desconstrução. É tipo tapar sol com peneira ou a necessidade de culpar alguém por tudo de ruim que acontece sobre alguma coisa. Ainda temos muita luta pela frente e muito esforço a fazer, mas não é atirando para todos os lados que vamos conseguir mudar o mundo.
      Não tem mais argumento nem debate, "o que eu acredito é verdade absoluta e ninguém pode discordar", admito que por um período até eu estava assim, porque como todo mundo faz, até parece certo.
      Tem muitas coisas não resolvidas sobre o assunto na minha cabeça também, mas aos poucos a gente vai buscando uma solução e entender melhor. O feminismo é sobre lutar contra o medo e o ódio. Aos poucos a gente vai vencendo (eu espero!).
      Muito obrigada por esse comentário maravilhoso!!! ♥♥ Mil beijos s2

      Excluir

Tecnologia do Blogger.