Por: Rebeca Maynart

Mesmo assim, você ainda escreve melhor do que eu

quarta-feira, setembro 30, 2015

Eu leio o jornal como se fosse ter notícias suas, como se você não tivesse sido clara o bastante com o cruel "não é você, sou eu". Como se alguém algum dia tivesse mesmo caído nessa. Qual é? O sexo era ótimo e a gente tinha um relacionamento legal, eu insisti. Mas você rebateu que ninguém quer só um relacionamento legal, mesmo com sexo ótimo. Você queria uma puta de uma história de amor, como se a nossa não fosse o bastante para inspirar uns três livros do Nicholas Sparks.

Eu precisava de um motivo e você parecia ter muitos, entretanto, não me dera nenhum. Você bateu a porta depois de gritarmos um com o outro. Esse seu hábito estúpido de dar as costas aos seus problemas como se assim eles deixassem de existir! Não que eu seja um problema, mas aparentemente o nosso relacionamento tornara-se um. E então você retornou uma ou duas vezes para buscar seu cardigã e um batom, e também, para dormir comigo outra vez. 

Talvez se eu não tivesse cedido, você teria voltado. Quem sabe se a gente tivesse algo um pouco mais E. L. James, o nós não teria tornado-se apenas eu. Mas é que eu te deixei escapar pelos meus dedos, mesmo com esses olhos amendoados gigantes no seu rosto que me encantavam, mesmo com a nossa intensa atração e esse sorriso lindo que você tinha, ou tem, não dá para saber, já que eu não te vejo desde então. Contudo, mesmo com tudo isso que me fez apaixonar por você, eu te deixei partir.

É que a gente não deve prender um pássaro, quando o que ele mais quer é voar. E parece que eu era sua jaula. Quase no fim da leitura, encontrei teu artigo no canto do jornal. Uma crônica sobre cardigãs, perfumes e batons. Da última vez foi sobre "relacionamentos legais". É que a gente também não deve ir buscar o pássaro quando ele sabe o caminho de casa. Você podia ter ligado, você podia ter voltado. 

Mas você não quis. Preferiu ficar aí escrevendo sobre um nós que não existe mais.

14 comentários:

  1. Menina, eu estou amando seu blog *-* (quase não comento por que nunca sei o que dizer)
    Você escreve de um jeito encantador. Continue sempre assim!
    Muitos beijinhos

    stay-creepy.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ohh! Muito obrigada, moça! Seja bem vinda, fico muito feliz que esteja gostando *-*
      Obrigada mesmo, muitos beijinhos para ti também ♥

      Excluir
  2. ROBERTA você quer me matar? Quer sim, eu sei que quer.
    Que texto maravilhoso.
    Que sensação horrível é quando a gente quer ser abrigo pra quem não quer ficar, pra quem aprendeu ser livre que confunde ninho com jaula.
    Você vem destruindo meu coração aos poucos, to viciada em te ler e isso é perigoso rs.
    Amei, posso roubar pra mim?
    Beijos cheios de você♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, muito obrigada, Cami!
      Exato, muito triste quem "confunde ninho com jaula".
      Ohh, haha, fico feliz que esteja gostando *-*, pode sim ♥
      Mil beijos, obrigada pelo carinho!!

      Excluir
  3. oinnnn! Que texto amor. *-* Eu amei a forma como voce relacionou com livros. (eu ri alto quando voce comparou com Nicholas sparks HAHAHAHA). Muito muito muito bom. Adoro vir aqui te ler. Beijinhos :*

    http://www.verdadeescrita.com/por-ai-ainda-existe-saudade/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nhaaac! Haha, muito obrigada, Beca *-* Eu amo usar referências literárias nas coisas que escrevo ♥ HAHAHA. Me deixa muito feliz que você tenha gostado ♥ Obrigada de novo, lindona.
      Beijinhos

      Excluir
  4. Que texto intenso, ficou maravilhoso mesmo. "Você podia ter ligado, você podia ter voltado", quer me destruir mesmo? Tudo bem então auheiuahe. Ficou muito bom, cê anda escrevendo cada vez melhor moça ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, moça, de verdade ♥ Sempre bom te ver aqui :3

      Excluir
  5. O tradicional ''não é você, sou eu'' fere, mata. Já não condeno, pois usei uma vez, admito. Tendo feito isso me fez perceber que muitas vezes pode, sim, ser o outro. No meu caso era realmente eu.
    E cara, é totalmente a minha cara isso de escrever sobre um nós que já não existe. É o que eu faço num looping, inclusive. Podia ter ligado, podia ter voltado.
    Ótimo texto, gostei demais. Me vi, como sempre.

    Um beijo, ROBERTA! rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, atiro a pedra, mas meu telhado também é de vidro. Esse clássico é mesmo como abrir uma ferida e jogar sal nela.
      É a cara de todos nós, eu acho rs, essa mania de escrever sobre o que já passou. Acredito que é nossa maneira de dizer adeus, de deixar ir. Ou de nos atar ainda mais ao que não conseguimos libertar.
      Muito obrigada pelo carinho ♥

      Um beijo, JACK! haha

      Excluir
  6. MINHA DEUSAAAAAAAAAA, que texto é esse? Quer me matar? Agora eu tou definitivamente apaixonada por sua escrita. Quero maissss. Hahaha ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AI QUE LINDAAAAAAAAAA! HAHA ♥♥♥ Muito obrigada, sua linda *-* Fico feliz que tenha gostado!! Bem vinda ♥

      Excluir
  7. Você realmente escreve muito bem! ^^

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.