I want you to stay

sábado, julho 19, 2014


Começou com um sorriso de canto ao vê-lo andar pelos corredores, sentado do outro lado da sala de aula. Ele tinha minha altura e, de acordo com suas fotos no Facebook, abdômen definido; a barba rala, traços fortes e boca convidativa. Eu, por outro lado, tinha quinze anos e nada na cabeça. Eu era chuva, ele, sol. Éramos opostos, como os pólos de um imã. Contudo, algo como as forças do universo, mais fortes que os padrões de relacionamento, nos aproximou; nos deu algo para provar um do outro. Uma conversa aqui, outra ali, e eu já estava perdidamente apaixonada. O tempo passou, as estações mudaram e assim como as folhas caem no outono, eu caí na sua armadilha de amor (não que eu esteja reclamando, longe disso).

Em algum momento dessa valsa que dançávamos ao som da paixão, floresceu o amor. Doce e refinado, como uma fragrância tão cara que ninguém mais pode comprar, era apenas minha e dele, era apenas nossa. Não surgiu do nada, nem foi por acaso; foi construído aos poucos, e não houveram palavras mais sinceras do que as ditas ao longo das noites que passamos juntos. O nosso desejo era evidente, o nosso medo de perder um ao outro... qualquer um podia ver, estava escrito na nossa testa. Estava claro que ficaríamos juntos para sempre.

Dos momentos que vivi com ele, vale ser contado novamente: as tardes assistindo filmes desconhecidos, tentativas frustradas de cozinhar macarrão, os beijos na varanda da sua tia, todas as vezes que andamos de mãos dadas, as risadas verdadeiras e incontroláveis das asneiras que ele falava. Eu poderia escrever um livro a respeito de como ele era encantador, com todas suas palavras doces, abraços apertados e aquele olhar irresistível de alguém que ama incondicionalmente. Um livro sobre ele, sobre tudo que gosto nele; eu até poderia escrever seu final feliz ao meu lado.

You Might Also Like

8 comentários

  1. Um amor correspondido é como achar o elo perdido.
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente frase! E seu blog é ótimo.

      Excluir
  2. Não sei se choro ou te abraço e digo que vai ficar tudo bem.
    Já falei vinte vezes em todas as suas fanfics que sou perdidamente apaixonada pelo seu estilo de escrever. Sério, Rebeca, parece que você nasceu pra isso. Nunca, NUNCA pare de escrever na sua vida. Ok? Ok.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é demais, muito obrigada pelo apoio que sempre me dá em qualquer projeto (mesmo que horrível) que eu queira fazer em relação a escrita. Eu nunca, NUNCA vou parar! Ok? Ok.
      E digo o mesmo para você.

      Excluir
  3. Sinto como se já estivesse vivido essa história , adoro seus textos *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez você realmente seja a estrela dela, da história. Obrigada pelo carinho.

      Excluir
  4. Claro, nunca pare de escrever e que sempre tenha um pouco de inspiração para nascer esses textos lindos! O mais engraçado é que eu vi essa história com meus olhos hauhu e na sua mão fica tão mais doce do que já é! Um tanto cupida ate fui. Beijo, Juliana Dória

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é um amor, obrigada, Ju. Não vou parar!
      E sim, você presenciou desde o começo, haha. *-*
      Beijão

      Excluir